Receba conteúdo florestal grátis toda semana

Imagem de Radar: ferramenta no monitoramento da exploração madeireira

Boas notícias, quando o assunto é desmatamento, pois uma reportagem esta semana mostrou para a Região Amazônica, principalmente para o Estado do Pará, uma nova forma de se detectar as áreas de floresta que estão sendo exploradas irregularmente na região. O monitoramento por satélite realizado pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia - IMAZON conta uma novidade: a parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) com um radar especializado em monitorar terremotos e vulcões. Esta parceria tem como foco detectar áreas de desmatamento em períodos chuvosos, o qual a Amazônia fica coberta em torno de 80% a 90% de nuvens, o que impossibilita esta análise através de satélites como Landsat.   


                      Fonte: Imazon, 2017. 

A Agência Espacial Europeia tem satélites ERS que possuem Radar, deste modo, imageando e transmitindo sinal na faixa do microondas (maior comprimento de onda da REM). Para a região amazônica isso é essencial, porque além de captar áreas desmatadas encobertas por nuvens a maior parte do tempo, ainda consegue pelo período noturno, um sistema autonomamente das mudanças no clima. Importante destacar também uma diferença nas estatísticas do instituto para o mês/ano de 2016 e 2017 já a implantação do radar em seu sistema de monitoramento: para dez/2016 foi devastado cerca de nove km² de áreas na Amazônia, e para o mesmo período, dez/2017 houve um aumento para 184 km² de áreas desmatadas, já com a utilização de imagem de radar.

Um ponto crucial para o setor madeireiro já que segundo fontes do Imazon, o período mais chuvoso, é o que apresenta mais áreas devastadas pelo setor, pois acaba se tornando a época mais “fácil” de se escapar do monitoramento por satélite devido às condições climáticas que antes dificultavam esta análise por meio dos órgãos competentes. E por esta razão, é o setor alvo para o “novo” monitoramento realizado pelo instituto. 

Fonte: Imazon, ESA, G1.

por: Jahnyffer Moraes

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.