ICMBio lança o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção - Florestal Brasil

Receba conteúdo florestal grátis toda semana

Espécies ameaçadas

ICMBio lança o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Seguno o ICMBio (que coordenou), está publicação é o maior esforço já feito sobre o tema no mundo.


Já está disponível para download os arquivos do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. A publicação é resultado do maior esforço sobre a temática já realizada no mundo.

Ao todo, 1270 cientistas se reuniram sob a coordenação do ICMBio para avaliação de 12.254 espécies, incluindo peixes e invertebrados aquáticos. Na versão anterior, em 2003, 816 espécies foram avaliadas. O material, dividido, em sete arquivos.

O livro aponta um incremento em relação a quantidade de espécies ameaçadas: 1.173. Elas estão distribuídas em três categorias: Criticamente em perigo (CR), Em Perigo (EN) e Vulnerável (VU), um incremento de 716 espécies. Entretanto, mesmo com o aumento do escopo de espécies ameaçadas e consequentemente melhor avaliação da conservação, 170 espécies deixaram de constar na lista de espécies ameaçadas.

Quem estiver interessado pode conferir com detalhes o status dessas espécies estudadas ao longo desses anos, bem como uma abordagem sobre o conjunto de circunstâncias que as colocam em risco, quais são e onde estão as principais ameaças a fim de delinear as melhores estratégias de conservação.

Diminuição de impactos

Em complementariedade ao Livro Vermelho, também está disponível para download o Plano de Redução de Impactos à Biodiversidade (PRIM). A publicação aborda o desafio de compatibilização dos projetos de empreendimentos com a conservação dos ambientes naturais e auxiliam na tomada de decisões estratégicas, fornecendo insumos para chegar à viabilidade ambiental nas decisões de ordenamento territorial e planejamento logístico.

O livro traz o PRIM como uma ferramenta de suporte à avaliação de impactos ambientais e a hierarquia de mitigação de impactos (evita, mitigar ou compensar), bem como cenários de conservação, as lacunas de conhecimento e planos de redução de impactos que já se encontram em andamento.

Fonte:

















































por: Arthur Brasil

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.