Receba conteúdo florestal grátis toda semana

ambiental

Liuzhou Forest City, novo desenvolvimento urbano da China abrigará milhões de plantas

São ao todo mais 40 mil árvores e 1 milhão de plantas. Liuzhou Forest City, projetado pelo arquiteto Stefano Boeri, será inaugurado em 2020 na cidade que fica ao norte da China.

A cidade se erguerá no norte da cidade da província montanhosa de Guangxi, em uma área de cerca de 175 hectares ao lado do lago Liujiang.

A Liuzhou Forest City será concluída em 2020. Contará com mais de 40.000 árvores e aproximadamente um milhão de plantas de mais de 100 espécies diferentes © Arquiteto Stefano Boeri 

O projeto Liuzhou Forest City

O desejo do arquiteto Stefano Boeri de criar verdadeiras cidades florestais - centros urbanos compactos compostos de dezenas de edifícios como as Florestas Verticais encontrados em Milão, Nanjing (China) e Utrecht (Holanda) cercados por árvores, arbustos e plantas florescendo - na China finalmente se tornou um realidade. Liuzhou Forest City, comissionado pelo Planejamento Urbano do Município de Liuzhou, autoridade responsável dedicada ao desenvolvimento da cidade chinesa, será uma unidade coesa de edifícios, ruas, árvores e plantas de todo tipo, e abrigará mais de 30.000 habitantes que poderão desfrutar casas, escolas, escritórios, hospitais e todos os tipos de serviços em uma área completamente coberta de plantas, onde as árvores não são apenas uma decoração, mas uma parte integrante da estrutura. Tanto assim, que será quase impossível distinguir o centro urbano da área verde que o rodeia quando observado de cima.

As vantagens ambientais de uma cidade auto-suficiente

Liuzhou Forest City terá impacto zero. Segundo Boeri , a cidade terá todas as características de um assentamento totalmente autossuficiente do ponto de vista energético: 
A energia geotérmica será usada para a regulação da temperatura dentro dos edifícios e um sistema integrado de painéis solares será instalado nos telhados; as conexões entre o novo centro e a cidade de Liuzhou serão garantidas por uma linha de trem elétrica".
Tudo isso proporcionará muitos benefícios ambientais. A forte presença de vegetação irá melhorar a qualidade do ar, absorvendo 57 toneladas de dióxido de carbono e partículas, e produzindo 900 toneladas de oxigênio a cada ano, além de reduzir as temperaturas médias. Isso será possível graças ao plantio de 40.000 árvores e aproximadamente um milhão de plantas de mais de cem espécies diferentes que serão colocadas em ruas e prédios.

Uma renderização da nova linha ferroviária rápida que ligará a cidade da floresta a Liuzhou © Arquiteto Stefano Boeri

Florestas urbanas para melhorar a qualidade de vida 

Alguns dos aspectos fundamentais de Boeri em relação aos seu projetos é garantir a biodiversidade isso é: evitar o uso desenfreado do cimento, bloquear a expansão das cidades que sufoca as florestas, preservar as florestas e biodiversidade dentro das cidades para reduzir a poluição e, finalmente, tornando a natureza um componente essencial da arquitetura. 

“As cidades produzem quase 70% das emissões de dióxido de carbono, a causa de fenômenos como o efeito estufa, o derretimento das calotas e a elevação do nível do mar, enquanto as florestas e os oceanos são os principais inimigos do CO2, absorvendo cerca de 35% das emissões. quantidade emitida - Boeri explica -. Trazer florestas dentro das cidades ou criar cidades florestais significa combater o inimigo em seu território e transformar o dióxido de carbono em fertilizante para alimentar as plantas ”.

Liuzhou Forest City será o primeiro impacto zero, cidade autônoma graças aos sistemas geotérmico e fotovoltaico instalados em edifícios © Arquiteto Stefano Boeri

China caminha em direção à sustentabilidade 

Liuzhou Forest City é outro passo em frente para a China, seguindo a liderança da Floresta Vertical de Nanjing, a primeira na Ásia. O país está cada vez mais orientado para políticas amigas do ambiente no que diz respeito à habitação e ao uso de energias renováveis, reduzindo a sua dependência do carvão.
Há 14 milhões de pessoas que deixam as áreas rurais na China todos os anos e se mudam para as cidades, e o problema da poluição do ar é extremamente relevante - Boeri sublinha -. O governo finalmente decidiu responder a essa migração considerando a possibilidade de construir cidades menores e, neste caso, cem por cento verdes, em vez de construir enormes áreas suburbanas ”.
Um excelente ponto de partida para um futuro mais verde orientado para a redução da poluição na China, o país com a maior taxa de emissões de gases com efeito de estufa e partículas no mundo. Portanto, a Cidade Florestal de Liuzhou (que deve ser inaugurada em 2020) representará um assentamento totalmente "verde", bem como um novo modelo urbano para o futuro, onde as necessidades habitacionais eo respeito ao meio ambiente coexistem em harmonia.

A floresta vertical, na cidade de Nanjing, China. Uma renderização das duas torres concluídas em 2018 © Arquiteto Stefano Boeri

Projetos verdes em centros urbanos no Brasil

Em relação ao Brasil, vemos alguns pequenos projetos sendo instaurados, ainda estamos engatinhando perto de alguns países que já vem desenvolvendo diversos projetos. 

'Minhocão' São Paulo - Áreas verdes de São Paulo - Letícia J. Guedes.

Em São Paulo/SP por exemplo, existe alguns projetos que foram feito e outros que estão sendo executados. No 'Minhocão' e também na 23 de Maio (um dos maiores corredores verdes do mundo), ainda há projetos como Horta Urbana desenvolvido por cidadãos. Esse projetos devem ser continuos para o bem estar e qualidade de vida das pessoas, mesmo havendo algumas coisas, ainda não é o suficiente, outros projetos como estes devem ser desenvolvidos nas grandes cidades do Brasil.

Projeto do corredor verde custou R$ 9,7 milhões para ser instalado  Foto: GABRIELA BILO / ESTADAO

Fonte:

por: Arthur Brasil

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.