5 razões para acreditar que o desmatamento será reduzido e revertido - Florestal Brasil

Receba conteúdo florestal grátis toda semana

amazonia

5 razões para acreditar que o desmatamento será reduzido e revertido

Vamos ser francos. Para aqueles de nós que se preocupam com o desmatamento, os últimos anos não foram bons.

Vista aérea da Floresta Amazônica no Brasil

Os dados mais recentes nos dizem que estamos perdendo mais cobertura de árvores tropicais do que nunca. O maior culpado ainda é a agricultura de commodities.

Temos 5 grandes razões para acreditar que isso vai mudar:

1. Os sinais do mercado estão ficando mais fortes

Nunca subestime o poder das forças do mercado ou a influência que temos sobre elas. Eu vejo um movimento incontrolável em direção à sustentabilidade. As pessoas exigem isso. Os governos respondem com novas regulamentações. Os mercados respondem insistindo em produtos verificados. E bolsões de má prática são progressivamente eliminados.

Sim, é um processo dolorosamente lento, mas o momento está crescendo. Muitos outros jogadores estão sinalizando que o desmatamento deve ser removido das cadeias de suprimentos. A este respeito, 2018 foi um ano de adrenalina.

O Manifesto do Cerrado, do Brasil, permite a produção agrícola contínua em uma das paisagens mais produtivas do mundo, ao mesmo tempo em que busca proteger a biodiversidade importante".

Em 2018, o número de signatários de sua Declaração de Suporte saltou para além de 70 marcas globais. Enquanto isso, iniciativas apoiadas pelo governo, como a Declaração de Amsterdã, ganharam força e a União Européia anunciou seu roteiro há muito aguardado para reduzir o desmatamento. Como produtor, a lógica exige que você tome nota. Se você puder demonstrar suas credenciais de sustentabilidade, poderá acessar qualquer mercado no mundo. Se você não conseguir, suas opções se tornarão cada vez mais limitadas.

2. Está ficando mais fácil distinguir o bom do ruim

Com melhorias no monitoramento, obtém-se maior transparência. Você pode identificar com mais facilidade o desmatamento nas cadeias de suprimentos. Como conseqüência, a pressão aumenta para as empresas relatarem seu desempenho. Mais uma vez, vemos o momento real.

Um dos anúncios mais significativos de 2018 veio da Wilmar, o principal grupo de agronegócios da Ásia, que se comprometeu com a transparência em toda a sua cadeia de suprimentos. Enquanto isso, a Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável (RSPO), que reúne 4.000 organizações globalmente, concordou com um novo padrão de certificação para ajudar a distinguir o bem do mal.

Para 2019, uma prioridade é aproveitar esse progresso, apoiando ferramentas de monitoramento mais robustas, que trazem mais certeza e granularidade para entender melhor onde as commodities ainda estão impulsionando a conversão. Sua disponibilidade, por sua vez, trará mais pressão sobre mais jogadores para relatar seu desempenho - e fornecer mais acesso a seus dados.

3. Mais investidores estão adotando abordagens holísticas e paisagísticas

Cada vez mais, as empresas estão olhando além de suas cadeias de suprimentos imediatas e pensando em como podem contribuir para a viabilidade econômica mais ampla da agricultura e da economia rural. Anúncios relacionados da Unilever e Walmart, e também do grupo global de agronegócio Olam, foram dois destaques de 2018. Precisamos de exemplos mais positivos que mostrem como a produção e a proteção podem trabalhar de mãos dadas em paisagens de florestas tropicais.

4. Abordagens inovadoras para o financiamento estão permitindo que soluções sustentáveis ​​alcancem escala

Seria ingênuo ignorar o papel do financiamento na tomada de decisões agrícolas. Os agricultores rotineiramente procuram financiamento de terceiros para financiar sua próxima safra, e os termos de crédito relacionados geralmente determinam o que eles cultivam - e como.

À medida que os ministérios das finanças dos países tropicais passam a apreciar o verdadeiro potencial econômico de um setor agrícola e florestal bem gerenciado, esperamos que surjam esquemas mais inovadores".

No passado, vimos muitas iniciativas financeiras de curto prazo e de curto prazo direcionadas a métodos agrícolas sustentáveis. Mas em 2018, vimos o surgimento de esquemas de longo prazo e de maior escala, incluindo um da Bunge e do Santander no Brasil, que incentiva a produção sustentável de soja.

Para 2019, pretende-se catalisar a criação de mecanismos de financiamento mais verdes. Por exemplo, à medida que os ministérios das finanças dos países tropicais passam a apreciar o verdadeiro potencial econômico de um setor agrícola e florestal bem administrado, esperamos que surjam esquemas mais inovadores. E, como os fundos finalmente começam a fluir sob os esquemas de REDD +, existe um potencial definido para mecanismos que incorporem o financiamento de carbono.

5. Mais pessoas estão acordando para o papel das florestas na abordagem do aquecimento global

Por muitos anos, as florestas estavam ausentes do debate sobre as mudanças climáticas. No entanto, eles são o mecanismo mais poderoso do planeta para seqüestrar carbono (ou, inversamente, liberá-lo na atmosfera).

Em 2018, o teor do debate mudou. Por exemplo, o Relatório Especial do IPCC 1.5 C deixou claro que, para lidar com as mudanças climáticas, mais florestas devem ser protegidas e restauradas. As florestas também abrigam mais de 80% da biodiversidade terrestre do mundo, portanto estão na frente e no centro do renovado esforço global para um Novo Acordo para a Natureza e as Pessoas.

Para 2019, todos nós precisamos empurrar as florestas e o desmatamento para o centro dos debates sobre clima, biodiversidade e alimentos.

Fonte:



por: Arthur Brasil

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.