MS se consolida como maior exportador de celulose do país - Florestal Brasil

Receba conteúdo florestal grátis toda semana

[PAPEL E CELULOSE]

MS se consolida como maior exportador de celulose do país


Nos últimos cinco anos, Mato Grosso do Sul registrou crescimento acima da média nacional na produção de celulose, atingiu a marca de 1 milhão de hectares de eucalipto plantados, ampliou seu parque industrial do setor e se consolidou como o maior exportador do produto no país no primeiro quadrimestre de 2020. É o que aponta levantamento feito pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) com base nos dados do IBGE e do MDIC.

Entre os anos de 2010 a 2018 a produção sul-mato-grossense disparou em 308%, chegando a 17 milhões de metros cúbicos de madeira em tora para papel e celulose em 2018. Esse desempenho crescente fez com que, já em 2019, Mato Grosso do Sul atingisse a liderança das exportações do produto no país, com 9,7 milhões de toneladas comercializadas: 22,20% do total brasileiro das exportações de celulose naquele ano.


Mais de 60% da produção de celulose em Três Lagoas tem com o destino a China.

De acordo com a Nota Técnica, a relação entre a produção e as exportações mostram que, a medida que o setor externo foi demandando celulose brasileira houve um crescimento da produção para atendimento desse mercado, principalmente em Mato Grosso do Sul. “Com relação a comparação da evolução da participação nas exportações de Mato Grosso do Sul em relação a outros Estados, a Celulose foi o principal produto de exportação em 2019 e no primeiro quadrimestre de 2020”, diz trecho do documento.

A China é o principal destino das exportações sul-mato-grossenses de celulose, representando 60,27% dos valores exportados. Esses números para o mercado chinês tiveram um crescimento de 3,89% em termos de valor e 6,42% em termos de volume exportado para aquele país. O segundo maior mercado da celulose de Mato Grosso do Sul é os Estados Unidos com 10,74% do valor exportado, embora com queda em 2020 em relação ao primeiro quadrimestre de 2019 quando a participação chegava a 15,95% em termo de valores exportados.

Fonte: Marcelo Armôa – Assessoria de Comunicação da Semagro

Fotos: Divulgação

por: Lucas Monteiro

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.